Meu perfil
BRASIL, Sul, MARILANDIA DO SUL, centro, Mulher, de 46 a 55 anos, Portuguese, Cinema e vídeo, Livros
Outro -




Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de oceliarosacruz
 


Foto: Mude sua vida e abra sua mente... Comece lendo um bom livro!!! Confira os melhores títulos com os melhores preços no site: www.livroetc.com.br



Escrito por oceliarosacruz às 13h13
[] [envie esta mensagem
] []





Foto: Lindas páginas--> Um Doce de Menina & Coisinhas Simples



Escrito por oceliarosacruz às 13h12
[] [envie esta mensagem
] []





Foto: Gospel Clip<-Curta.



Escrito por oceliarosacruz às 13h12
[] [envie esta mensagem
] []





O jovem marinheiro.

Certa vez um jovem marinheiro teve que subir ao mastro de um navio durante uma tempestade para desenroscar uma corda de uma vela que se prendera e estava pondo a embarcação em risco. Chuva torrencial, raios e trovões assustavam a todos os tripulantes. As ondas chacoalhavam o barco fortemente, de um lado para o outro, para baixo e para cima. O jovem marujo parou no meio de sua subida, olhou para as ondas gigantes balançando o barco e ficou paralisado. Começou a sentir vertigem e estava quase caindo.
O capitão então gritou:
- Marinheiro, olhe para cima!
De maneira decidida, o marinheiro desviou o olhar das ondas ameaçadoras e olhou para cima. Ele conseguiu subir com segurança e executar a sua tarefa.

Quando os dias de dificuldades ocorrem em nossas vidas, quando as tempestades de problemas nos confundem, perdemos o equilíbrio e corremos o risco de despencar. Entretanto se desviarmos nosso olhar dos perigos e olharmos para o alto, se buscarmos a face do Senhor em oração e agarrarmos a Sua poderosa mão, nosso coração se aquietará. Receberemos força e paz para podermos executar as nossas tarefas em meio às tempestades e finalmente seremos vitoriosos.
(autor desconhecido)

Reflitamos sobre esta bela mensagem.



Escrito por oceliarosacruz às 13h01
[] [envie esta mensagem
] []





Eu sempre escorrego !!!!!!!!!!!
Foto


Escrito por oceliarosacruz às 12h37
[] [envie esta mensagem
] []





Foto: Que nos dias de angústia, a PALAVRA DE DEUS seja na minha vida como o fogo que refina o ouro. Priscilla RodighieroHumilhação


Durante uma vida a gente é capaz de sentir de tudo, são inúmeras as sensações que nos invadem, e delas a arte igualmente já se serviu com fartura. Paixão, saudades, culpa, dor-de-cotovelo, remorso, excitação, otimismo, desejo – sabemos reconhecer cada uma destas alegrias e tristezas, não há muita novidade, já vivenciamos um pouco de cada coisa, e o que não foi vivenciado foi ao menos testemunhado através de filmes, novelas, letras de música. 

Há um sentimento, no entanto, que não aparece muito, não protagoniza cenas de cinema nem vira versos com freqüência, e quando a gente sente na própria pele, é como se fosse uma visita incômoda. De humilhação que falo. 

Há muitas maneiras de uma pessoa se sentir humilhada. A mais comum é aquela em que alguém nos menospreza diretamente, nos reduz, nos coloca no nosso devido lugar - que lugar é este que não permite movimento, travessia?. Geralmente são opressões hierárquicas: patrão-empregado, professor-aluno, adulto-criança. Respeitamos a hierarquia, mas não engolimos a soberba alheia, e este tipo de humilhação só não causa maior estrago porque sabemos que ele é fruto da arrogância, e os arrogantes nada mais são do que pessoas com complexo de inferioridade. Humilham para não se sentirem humilhados. 

Mas e quando a humilhação não é fruto da hierarquia, mas de algo muito maior e mais massacrante: o desconhecimento sobre nós mesmos? Tentamos superar uma dor antiga e não conseguimos. Procuramos ficar amigos de quem já amamos e caímos em velhas ciladas armadas pelo coração. Oferecemos nosso corpo e nosso carinho para quem já não precisa nem de um nem de outro. Motivos nobres, mas os resultados são vexatórios. 

Nesses casos, não houve maldade, ninguém pretendeu nos desdenhar. Estivemos apenas enfrentando o desconhecido: nós mesmos, nossas fraquezas, nossas emoções mais escondidas, aquelas que julgávamos superadas, para sempre adormecidas, mas que de vez em quando acordam para, impiedosas, nos colocar em nosso devido lugar.
Martha Medeiros



Escrito por oceliarosacruz às 08h12
[] [envie esta mensagem
] []





Salmos 139:23,24

Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno.

Foto: -►♫♪♫♪ Listen to My Music ♫♪♫♪◄- https://www.facebook.com/pages/sottosopra69/280279697892?id=280279697892&sk=app_2405167945



Escrito por oceliarosacruz às 08h09
[] [envie esta mensagem
] []





 

 
A busca incessante pela validação, leva à dor da humilhação
Bookmark and Share 

A busca incessante pela validação, leva à dor da humilhação

por Teresa Cristina Pascotto - 

Todos nós, de alguma maneira, já nos sentimos humilhados. Para cada um a humilhação acontece de forma diferente. Para a maioria, humilhante é não ser validado e reconhecido em seus intentos e esforços. Esta é a dor maior da humilhação.

Na intenção de sermos validados pelo mundo, abrimos mão de nossa dignidade e nos submetemos às mais variadas formas de humilhação, sem percebermos. Sempre que fazemos “qualquer coisa” para sermos validados, para então nos sentirmos amados, estamos nos sujeitando à possibilidade de não agradarmos e não sermos validados conforme desejamos. Isto ocorre com frequência, desde nosso nascimento, pois nossa criança não se sentiu verdadeiramente aceita, amada e aprovada em sua expressão natural, por isso, desde então, passamos a vida tentando encontrar um jeito de sermos aceitos e amados, passamos a criar as estratégias de sobrevivência, pois não sendo aprovados, sentimos que nossa vida está em risco, assim, a busca pela validação, não tem a ver somente com nossa necessidade de amor, mas também, com nossa sobrevivência. Se fazíamos qualquer coisa que desagradasse nossos pais, por exemplo, e com isso éramos criticados e punidos, entendíamos que se quiséssemos pelo menos ter o direito de estar nesse meio e de sobreviver a essa vida tão perigosa, teríamos que fazer o possível e o impossível, na tentativa de agradarmos ao mundo. A questão da aceitação ficou em segundo plano, pois a necessidade de sobrevivermos aos ataques furiosos daqueles a quem desagradávamos, passou a ser nossa necessidade fundamental. Porém, como viver aterrorizados pelo medo consciente de sermos punidos se não correspondêssemos às expectativas dos outros, era algo insuportável para nós, passamos a não perceber que nossa busca compulsiva pela validação era uma questão de sobrevivência, colocamos esse medo no inconsciente e passamos a acreditar na versão falsa, de que estávamos fazendo tudo para agradar ao mundo, apenas porque queríamos ser validados.

Nossa crença inconsciente sempre foi que, por mais que empenhemos todos os nossos esforços na busca pela aprovação, nunca seremos verdadeiramente aceitos e validados. Se em nossa expressão máxima de luz e amor em nosso nascimento já não nos sentimos validados, entendemos então que deveríamos esconder nossa luz e, obviamente, também nossa sombra e deveríamos criar a forma de expressão mais agradável ao mundo e menos devastadora para nós. Com esta crença, por mais que acreditemos que buscamos a real validação, sempre estamos à espera da rejeição, da não aprovação e não validação pelo mundo. A cada intento frustrado e a cada sentimento de rejeição em nossa intenção, nos sentimos humilhados. A humilhação acabou fazendo parte de nossa vida. Esta é uma dor extrema e para suportá-la passamos a nos acostumar a ela, pois ela sempre vem no “pacote da busca pela validação”.

Então, como sobreviver à dor da humilhação, se é sempre ela que nos espera no final de cada tentativa de validação pelo mundo? A única forma, além de nos acostumarmos a ela e passarmos a não percebê-la, é passarmos a gostar da humilhação. Sim, passamos a ser masoquistas, gostando da dor da humilhação para sobrevivermos a ela, tínhamos que aprender a gostar dela, não havia outra possibilidade de suportar a dor da humilhação, a não ser gostando dela. Isso se tornou um vício e, como todo vício, apesar de termos consciência do mal que nos traz, não conseguimos frear nossa compulsão por buscar mais e mais desse “entorpecente”. Ao gostarmos da humilhação, a cada momento em que somos humilhados, mandamos uma mensagem para o nosso cérebro de que isso é bom, e isso ativa a zona de prazer no cérebro que libera o hormônio do prazer, trazendo-nos a saciedade que necessitamos naquele momento. Se não podemos ter saciedade com prazer saudável nos validando e nos amando, pois nós mesmos nos rejeitamos e nos invalidamos o tempo todo e se, com isso, buscamos no mundo a validação que nunca vem, a única forma –altamente destrutiva– que encontramos de ter um pouco de saciedade, é através do vicio na humilhação, que, ao nos entorpecer, não nos deixa tomar consciência da realidade interna.

Para desativarmos esse mecanismo, temos que começar mergulhando profundamente dentro de nós, na intenção de descobrirmos o quanto nos sentimos humilhados em inúmeras vezes em nossa vida, se fizermos isso com muita honestidade e coragem, descobriremos que até mesmo nas situações mais corriqueiras e rotineiras em nossa vida, estamos sempre, de alguma forma, nos sentindo humilhados. Com esta busca profunda, conseguiremos, então, tomar consciência do quanto experimentamos a dor da humilhação e como sempre estamos envolvidos em situações humilhantes. A dor nesta jornada interna, fará com que possamos reconhecer a dor e, com isso, passamos a não tolerar mais esta dor e é aqui, no início da intolerância à dor da humilhação, que começaremos a dar os primeiros passos para a cura.

A tomada de consciência, com profunda amorosidade e aceitação de tudo o que viermos a conhecer, conduz-nos ao próximo passo que é o DESEJO de nos libertarmos dessa forma autodestrutiva com a qual vivemos até então. Devo lembrar, que se trata de um vício e, como qualquer vício, teremos que ser muito perseverantes na busca por abrir mão dele. O vício nos entorpece e alivia nossa dor, portanto, ao desejarmos a cura do vicio, precisaremos ter consciência de que passaremos pela dificuldade de deixarmos de lado um recurso que nos foi “adequado” por muito tempo.

Teremos também que observar a questão da necessidade de validação. Se nós mesmos não nos validamos e estamos sempre nos cobrando como tiranos exigentes em busca da perfeição, para podermos ser aceitos e aprovados e se, diante de qualquer tentativa frustrada de validação e de consequente humilhação, estamos sempre provando para nós mesmos que não somos bons o suficiente, nunca conseguiremos sair desse circulo vicioso. Precisaremos abrir mão da necessidade da validação externa, para nos recolhermos para dentro de nós, na intenção de acolhermos nossa criança interna que continua desprezada por nós, precisaremos estender os braços para ela, na intenção de trazê-la para junto de nosso coração, com o desejo de começarmos a amá-la em sua expressão natural. O trabalho interno com nossa criança, para que possamos validá-la e amá-la incondicionalmente, é que nos levará a não precisarmos mais da humilhação como única forma de prazer e único resultado possível para nós. A coragem de nos amarmos, a despeito de qualquer falha que tenhamos, é o único caminho de cura real que encontraremos. E assim é!



Escrito por oceliarosacruz às 08h02
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por oceliarosacruz às 06h47
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por oceliarosacruz às 08h14
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por oceliarosacruz às 08h07
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por oceliarosacruz às 08h04
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por oceliarosacruz às 08h03
[] [envie esta mensagem
] []





Foto: Linda página: ✿•.¸¸.•*`*♥ Tudo Posso Naquele Que Me Fortalece



Escrito por oceliarosacruz às 07h53
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por oceliarosacruz às 07h41
[] [envie esta mensagem
] []





"Não permita que a vida passe sem que as pessoas saibam o significado que as tem para voce." — com Erika Rosa.

Foto: Vou cuidar de mim. De mim, do meu coração e dessa minha mania de amar demais, de querer demais, de esperar demais. (Caio Fernando Abreu)



Escrito por oceliarosacruz às 12h54
[] [envie esta mensagem
] []





"Não procuro rostos, procuro corações..." — com CFoto: "Queria voltar ao tempo em que a tabuada era a pior coisa do mundo..." com Crystina Crys Pamplona.



Escrito por oceliarosacruz às 12h52
[] [envie esta mensagem
] []





Tudo que me faz bem, eu guardo em meu coração...
...O resto? Apenas passa."
Foto: "Tudo que me faz bem, eu guardo em meu coração... ...O resto? Apenas passa."


Escrito por oceliarosacruz às 12h48
[] [envie esta mensagem
] []





"Procure a sabedoria e aprenda a escrever os capítulos mais importantes de sua história nos momentos mais difíceis de sua vida." (Augusto Cury)
Foto: "Procure a sabedoria e aprenda a escrever os capítulos mais importantes de sua história nos momentos mais difíceis de sua vida." (Augusto Cury)


Escrito por oceliarosacruz às 12h47
[] [envie esta mensagem
] []





Me perco dentro desse emaranhado de sentimentos, incertezas e inconstâncias.
Foto: Me perco dentro desse emaranhado de sentimentos, incertezas e inconstâncias.


Escrito por oceliarosacruz às 12h44
[] [envie esta mensagem
] []





Foto: "Não sou pra todos. Gosto muito do meu mundinho, ele é cheio de surpresas, palavras soltas e cores misturadas. Às vezes tem um céu azul, outras tempestade. Lá dentro cabem sonhos de todos os tamanhos, mas não cabe muita gente, todas as pessoas que estão dentro dele não estão por acaso: são necessárias." (Caio Fernando Abreu)"As vezes, precisamos de uma grande perda, para nos lembrarmos do que realmente importa. Às vezes, ficamos mais fortes, mais sábios e melhor equipados para o próximo desastre. Às vezes... (Grey's Anatomy)



Escrito por oceliarosacruz às 12h40
[] [envie esta mensagem
] []





"Por fora, já desistiu.
Por dentro, sempre descobre alguma desculpa para recomeçar.”
(Fabrício Carpinejar)
Foto: "Por fora, já desistiu. Por dentro, sempre descobre alguma desculpa para recomeçar.” (Fabrício Carpinejar)


Escrito por oceliarosacruz às 12h38
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]